Lazarus – Rucka, Lark & Arcas – DEVIR

Em meados dos anos 90, quando eu ainda morava numa cidade do interior de São Paulo, um verdadeiro celeiro de leitores de quadrinhos Mogi Guaçu, lembro perfeitamente quando fui até a banca do meu grande amigo Fernando, e me deparei com uma maravilha chamada Spawn, produzida por um dos meus artistas favoritos da época Todd McFarlane, o qual era um dos fundadores da aclamada Image Comics. Alguns meses depois chegaram outros títulos da Image, Gen 13, Codinome Stryke Force, Cyberforce, Savage Dragon, WildCats e Youngblood. Foi uma enxurrada de títulos novos e como amante dos quadrinhos eu passei a devorar todos. Lembro que Editora Globo e Editora Abril dividiam os direitos de publicação no Brasil (Spawn, Savage Dragon e Youngblood pela Abril e as demais pela Globo). Mas de lá pra cá, a editora se consolidou no mercado dos quadrinhos e atualmente figura em terceiro lugar entre as editoras de quadrinhos de maior sucesso, ficando atrás apenas de Marvel e DC. Outra característica importante da editora era justamente a possibilidade dos artistas criarem seus próprios conteúdos E hoje estou aqui pra falar justamente de uma obra-prima da Image Comics, criada pelo Greg Rucka e pelo Michael Lark – Lazarus. Então se você está no trânsito, se você está pedalando, se você está iniciando sua atividade física ou se você vai começar a lavar a louça, coloque aquele sabão de coco na esponja, aumente o volume do podcast e vamos começar mais um episódio. Sejam bem vindos, eu sou Luciano Carvalho e este é o podcast FANZINE.

Greg Rucka e Michael Lark estão juntos novamente. Depois de Departamento de Polícia de Gotham City – DPGC e de uma fase do Demolidor, que saiu na série Marvel Deluxe com o título de Demolidor – O Retorno do Rei, a dupla se reúne mais uma, agora em Lazarus.

Originalmente publicado em 2013 pela Image Comics, no Brasil, Lazarus está saindo pela Editora Devir, que até agora, julho de 2020, lançou 3 volumes, copilando as edições do número 1 ao 15. Salvo engano, nos EUA, a série possuí 28 edições, mais uma série derivada com 6 edições e agora uma segunda fase está em andamento.

Bem, mas do que se trata esse bendito Lazarus?

Na série não conseguimos precisar exatamente a data dos acontecimentos, porém sabemos que a história se passa em um futuro próximo, onde os países que conhecemos foram extintos e o mundo é governado apenas por algumas poucas famílias, um total de 16 para ser mais exato. Estas famílias podem ser comparadas a empresas ou cartéis, possuem e controlam grandes territórios que elas exploram para manter suas riquezas e consequentemente seus poderes. O mundo não é mais dividido em nações soberanas, as fronteiras agora são estabelecidas pelo poder econômico das famílias mais ricas. Vivem luxuosamente, com tudo do bom e do melhor e algumas poucas pessoas, que são chamadas de servos, trabalham para estas famílias e conseguem levar uma vida, digamos digna (mais ou menos) pelo menos elas possuem abrigo e comida. Todo o resto da população é lixo. Vivem em condições sub-humanas e são chamadas de REFUGOS.

Cada família possuía famílias aliadas e inimigas, ao melhor estilo Game Of Thrones, e para proteger as famílias, combater rebeliões e guerrear existem os LAZARUS, geralmente um membro da família que foi geneticamente modificado e aprimorado tecnologicamente para se tornar uma máquina de combate. Um verdadeiro exército de um só homem, ou mulher, como é o caso da protagonista da série. Forever Carlyle, a Lazarus da família Carlyle.
Forever é a filha mais nova de Malcolm Carlyle e foi treinada desde a infância para ser um artefato letal. Um instrumento para proporcionar sucesso aos anseios de seu pai e para manter a posição de sua família.

O cenário de Lazarus é sombrio. As vezes a sobrevivência passa a ser pior do que a morte. Um lugar inóspito em um futuro distópico, bem pensado e realista onde os conflitos sociais transbordam em cada quadrinhos, juntamente com o sangue derramado pelos disparos de armas de fogo ou espadas. Isto é Lazarus!

Greg Rucka e Michael Lark se completam. Fazem valer cada facada, cada ferimento a bala, e suas habilidades não se resumem apenas a ação ou um punhado de mortes, há momentos introspectivos que emocionam o leitor. Há dilemas, intrigas, dúvidas.

Não podemos esquecer que as cores são de Santi Arcas, um colorista espanhol que foi indicado por Greg Rucka, já que Lark queria trabalhar com um colorista europeu para dar uma aparência diferente dos quadrinhos tradicionais norte-americanos.

E vamos ao veredito final, será que vale a pena ler Lazarus?
Bom, vou confessar sem muitos mistérios e rodeios, Lazarus não irá figurar entre as melhores do ano. Lazarus irá figurar entre uma das melhores da década. Confesso que há muito tempo não lia algo tão gratificante. Preciso fazer justiça e agradecer o meu grande amigo André, pois esse quadrinho foi uma indicação dele e realmente não decepcionou.
É impressionante como o Greg Rucka é sinônimo de excelentes histórias, ainda mais escrevendo personagens femininas. Inclusive semana passada estreou na Netflix a série THE OLD GUARD, que é uma série derivada do quadrinho escrito pelo Greg Rucka e que também tem uma personagem feminina como protagonista, na série da Netflix a atriz Charlize Theron interpreta a personagem Andy. O roteiro de Rucka é extremamente direto, seco, sufocante. Ele cria um contexto onde o leitor sente as injustiças sociais. Isso foi fantástico.

A história da Forever é legal, claro, é uma personagem muito interessante e bem construída, seus dilemas, sua visão do mundo, seu treinamento, tudo isso faz de Forever uma personagem fantástica. Mas atrás de todos os personagens existe um mundo, um pano de fundo que faz o leitor pensar justamente que a sociedade apresentada por Rucka pode ser um reflexo da nossa própria sociedade. É quase impossível ler Lazarus e não fazer tal associação. Rucka cria um futuro onde as grandes famílias são, basicamente, empresas, cartéis que substituíram os governos, será que é muito diferente do mundo em que vivemos?

A leitura é profunda, as mazelas sociais são escancaradas. Pessoas desesperadas em busca de comida e que são capazes de qualquer coisa.
Hoje, vivemos um mundo onde as diferenças sociais são cada vez mais gritantes, onde a distância entre ricos e pobres aumentam constantemente. Um mundo onde 1% da população detém mesma riqueza dos 99% restante e o Greg Rucka parece fazer uma previsão de um futuro, que na minha opinião, não é totalmente impossível de acontecer. Claro, que não teremos Lazarus, pelo menos eu acho que não, mas todo o contexto geral pode sim ser possível.

Outro ponto extremamente importante nesta espetacular obra são os desenhos de Michael Lark. Toda a obra filosófica de Greg Rucka é fundamentada na arte de Michael Lark. Imersivo, elegante e belo. Lark consegue criar uma personagem convincente, bela, forte sem apelar para a sexualização feminina. Você percebe a tensão nas expressões de dor, de alívio e de amor. As lutas são um show à parte. O leitor sente cada golpe, cada gota de sangue, o suor, o cansaço. Corações disparados, lutadores ofegantes, sequencias cinematográficas e paisagens exuberantes. É sensacional!!!

Outro detalhe que me agradou bastante são os desenhos usando somente seus quadrinhos, sabe? Ultimamente os desenhistas explodem os quadros, personagens utilizam vários quadrinhos, páginas duplas, saem das páginas e pra mim, isso é uma bagunça só, as vezes sinto até dificuldade para acompanhar as cenas, acho que estou ficando velho.kkk Já os desenhos de Lark são organizados. A leitura flui com naturalidade e se torna fácil entender a narrativa.

Então de zero a cinco a minha nota para Lazarus é….. Cinco, cinco, cinco…. Lazarus é fantástico. Se você ainda não conhece esta história, não perca mais tempo e vai atrás do seu exemplar. Vou deixar o link na descrição para ajudar. Hahahaha. Eu vi algumas pessoas comentando que o ritmo da história é um pouco lento, mas eu não consegui isso, a leitura flui muito bem e não me incomodou nem um pouco. Greg Rucka e Michael Lark deram um show de talento e ousadia, pois eu enxergo uma crítica social profunda nas páginas desta história. Parabéns Image, Parabéns Rucka, Lark e Arcas.

Gostaria de agradecer novamente meu amigo André Ribeiro pela indicação. O André é lá da cidade de Mogi Guaçu e é sério, Mogi Guaçu é um grande polo dos quadrinhos. Berço de muitos artistas e leitores famosos e lar da banca mais famosa do Brasil, a banca do Fernando. Ou capirotos comic shop, sim ele aceita almas como forma de pagamento…Então se você estiver passando pela região não deixe de visitar a cidade.
Acredito que, esse ano não por causa da pandemia, mas com certeza a Comic Con de 2022 será em Mogi Guaçu.kkk

Link para compra de cada edição:
UM – https://www.amazon.com.br/Lazarus-Exclusivo-Amazon-Greg-Rucka/dp/8575326821
DOIS – https://www.amazon.com.br/Lazarus-Exclusivo-Amazon-Greg-Rucka/dp/8575327259
TRÊS – https://www.amazon.com.br/Lazarus-Exclusivo-Amazon-Greg-Rucka/dp/8575327453

E hoje ficamos por aqui, se você gostou deste conteúdo acesse FANZINE.COM.BR para conferir o texto na íntegra e também outras séries de artigos e podcasts onde mergulhamos ainda mais no universo dos quadrinhos, dá uma olhada lá no ultimo podcast, o patrão falou sobre um quadrinho foda… Deadwood Dick. Assine nosso feed no seu agregador de podcast preferido e se quiser bater um papo direto com a gente, siga o @fanzine_br, o nosso Instagram sempre com muita novidade.
Aproveite e apresente nosso podcast para dois amigos que gostam de quadrinhos! Ajude-nos a aumentar nossos ouvintes e leitores, para continuarmos a trazer cada vez mais quadrinhos diferentes ao seu alcance!
Muito obrigado e até a próxima.



Luciano Carvalho Escrito por: