Deadwood Dick – Bonelli Editore & Panini

Nat Love, também conhecido como Deadwood Dick, se alista entre os soldados afro-americanos do Nono Regimento de Cavalaria do Exército americano para escapar de um linchamento. Ele aprende a domar cavalos, a suportar a vida no quartel, e também a caçar os índios rebeldes, até que, nos territórios selvagens das pradarias, acaba cara a cara com os apaches.

Às vezes uma boa ação pode se virar contra o seu autor. Imagine o caubói afro-americano Deadwood Dick que socorre um desconhecido largado para morrer no deserto. E, depois, imagine um mar de encrencas que caem em cima dele: pistoleiros furiosos, prostitutas chinesas e um cadáver cada vez mais incômodo. ExtraÍdo de um conto de Joe R. Lansdale, uma história ambientada no vilarejo de Hide & Horns, um ponto da Fronteira muito parecido com o Inferno.

Todo o conteúdo de crítica social pode ser visto aqui no discurso de Deadwood Dick, que já nos primeiros quadros justifica a ideia de abordagem mais politicamente incorreta, por assim dizer, das aventuras de um personagem pelo Velho Oeste. Ocorre que este não é um personagem qualquer. Pela primeira vez em sua história, a Bonelli traz um protagonista negro para um título, e este personagem tem uma visão bastante crua, realista, verdadeira, de como funcionavam as coisas ao sul dos Estados Unidos no período após a libertação dos escravos. Por mais que o modelo sociopolítico da abolição assinada por Lincoln tenha sido melhor que o modelo brasileiro, com os ex-escravos ganhando um lote de terra para produzir, as dificuldades financeiras e o profundo racismo que enfrentavam (e enfrentam até hoje!) naquela sociedade não foram remediados e não haviam leis para cercar os comportamentos violentos contra eles. É justamente uma dessas ações que coloca Dick para correr, e é defendendo uma sólida ideia de relação social humanista que o personagem segue até encontrar alguém que será o seu companheiro por um tempo.

Mas… será que realmente existiu um Deadwood Dick? Sim, ele era mesmo Nat Love.

Nat Love (às vezes escrito Nate Love) (junho de 1854 – 1921) foi um cowboy afro-americano e ex-escravo no período após a Guerra Civil Americana. Suas façanhas fizeram dele um dos heróis negros mais famosos do Velho Oeste.

Vida pregressa
Nat Love nasceu escravizado na plantação de Robert Love no condado de Davidson, Tennessee, por volta de 1854. Seu pai era capataz de escravos nos campos da plantação e sua mãe, gerente de sua cozinha. Nat tinha dois irmãos: uma irmã mais velha, Sally, e um irmão mais velho, Jordan. Apesar dos estatutos da época da escravidão que proibiam a alfabetização negra, ele aprendeu a ler e escrever quando criança, com a ajuda de seu pai, Sampson. Quando a escravidão terminou, os pais de Love permaneceram na plantação de Love como cortadores, tentando cultivar tabaco e milho em cerca de 20 acres, mas Sampson morreu logo após o plantio da segunda safra. Posteriormente, Nat conseguiu um segundo emprego trabalhando em uma fazenda local para ajudar a sobreviver. Por volta dessa época, ele foi apontado como um presente por quebrar cavalos. Depois de algum tempo trabalhando em bicos extras na área, ganhou um cavalo em um sorteio, que depois vendeu de volta ao proprietário por US $ 50. Ele usou o dinheiro para deixar a cidade e, aos 16 anos, seguiu para o oeste.

A vida como um cowboy
Love viajou para Dodge City, Kansas, onde encontrou trabalho como cowboy com motoristas de gado no Rancho Duval (localizado no rio Palo Duro, no Panhandle do Texas). De acordo com sua autobiografia, Love lutou contra ladrões de gado e resistiu às intempéries. Ele se treinou para se tornar um especialista em tiro e cowboy, pelo qual ganhou de seus colegas de trabalho o apelido “Red River Dick”. Em 1872, Love se mudou para o Arizona, onde encontrou trabalho no Rancho Gallinger, localizado ao longo do rio Gila. Ele escreveu em sua autobiografia que, enquanto trabalhava com gado no Arizona, conheceu Pat Garrett, Bat Masterson, Billy the Kid. , e outros.

“Pau da madeira morta”
Depois de conduzir um rebanho de gado até a cabeça do trilho em Deadwood, território de Dakota, ele entrou em um rodeio no dia 4 de julho de 1876, atraído pelo prêmio em dinheiro de US $ 200. Ele venceu os concursos de corda, arremesso, gravata, freio, sela e bronco. Foi nesse rodeio que ele afirma que amigos e fãs deram a ele o apelido de “Deadwood Dick”, uma referência a um personagem literário criado por Edward Lytton Wheeler, um escritor de época.

Capturar e escapar
Em outubro de 1877, Love escreve que ele foi capturado por um bando de índios Pima, enquanto reunia gado vadio perto do rio Gila, no Arizona. Embora ele tenha alegado ter recebido mais de 14 ferimentos de bala em sua carreira (com ‘vários’ recebidos em sua luta com os nativos americanos enquanto tentava evitar a captura), Love escreveu que sua vida foi poupada porque os índios respeitavam sua herança, uma grande parte da própria banda sendo de sangue misto. O bando de nativos americanos cuidou dele de volta à saúde, desejando adotá-lo na tribo. Eventualmente, escreve Love, ele roubou um pônei e escapou para o oeste do Texas.

Vida depois de ser um cowboy
Nat love decidiu que ele precisava deixar a vida de cowboy. Ele se casou com sua esposa Alice em 1889 e se estabeleceu, inicialmente em Denver, tendo um emprego em 1890 nas ferrovias Denver e Rio Grande. Enquanto trabalhava na ferrovia, ele e sua família residiram em vários estados do oeste, antes de finalmente se mudar para o sul da Califórnia.

Em 1907, Love publicou sua autobiografia intitulada Vida e Aventuras de Nat Love, Mais Conhecida no País dos Bovinos como ‘Deadwood Dick’, por Ele Mesmo, o que melhorou muito seu legado. Love passou a última parte de sua vida como mensageiro e guarda de uma empresa de valores mobiliários de Los Angeles. Ele morreu lá em 1921, aos 67 anos.

Joe R. Lansdale – 68 anos, já fez muita coisa, em diversas mídias

Ele escreveu romances e histórias em vários gêneros, incluindo western, horror, ficção científica, mistério e suspense. Ele também escreveu para quadrinhos, bem como Batman: The Animated Series. Ele escreveu 45 romances e publicou 30 coleções de contos, juntamente com muitos livros de chapelaria e adaptações de quadrinhos. Vários de seus romances foram adaptados para filmes e séries de televisão.

Características frequentes dos escritos de Lansdale são geralmente situações ou personagens profundamente irônicos, estranhos ou absurdos, como Elvis Presley e John F. Kennedy lutando contra uma múmia egípcia sugadora de almas em um lar de idosos (o enredo de sua novela nomeada para o Bram Stoker Award, Bubba Ho-Tep, que foi transformado em filme por Don Coscarelli). Ele é o vencedor do British Fantasy Award, do American Horror Award, do Edgar Award e dos dez prêmios Bram Stoker.

Sua série Hap e Leonard de doze romances, quatro novelas e três coleções de contos apresenta dois amigos, Hap Collins e Leonard Pine, que vivem na cidade fictícia de Laborde, no leste do Texas, e se vêem resolvendo uma variedade de crimes muitas vezes desagradáveis. Os próprios personagens são um par improvável; Hap é um trabalhador da classe trabalhadora branca, com cerca de quarenta anos, que protestou contra a guerra no Vietnã e passou algum tempo na prisão federal, em vez de ser convocado, e Leonard é um veterinário gay do Vietnã. Ambos são lutadores talentosos, e as histórias (contadas do ponto de vista narrativo de Hap) apresentam muita violência, palavrões e sexo. Lansdale mostra um retrato do leste do Texas que é essencialmente “bom”, mas arruinado pelo racismo, ignorância, privação e corrupção urbana e rural de funcionários públicos. Parte do assunto é extremamente sombria e inclui cenas de violência brutal. Esses romances também são caracterizados por humor agudo e diálogo “inteligente”. Esses livros foram adaptados em uma série de TV para o canal SundanceTV e uma série de novelas gráficas será publicada no início de 2017. A segunda temporada é baseada no segundo romance de Hap e Leonard, Mucho Mojo, e a terceira, que estreou em 7/3/18, é baseada no terceiro romance The Two-Bear Mambo. Grande parte do trabalho de Lansdale foi publicada e reeditada como edições limitadas pela Subterranean Press e como brochuras comerciais da Vintage Crime / Black Lizard Publications. Sua atual editora de lançamentos é a Mulholland Books. Lansdale também publica com Dark Regions Press, e Tachyon Publications.

O romance de Lansdale, intitulado Fender Lizards, foi publicado em novembro de 2015 pela Subterranean Press. Em fevereiro de 2016, dois romances completos, Hell’s Bounty, foram publicados em 27 de fevereiro também pela Subterreanean Press e um novo romance de Hap e Leonard, intitulado Honky Tonk Samurai, foi lançado em 2 de fevereiro pela Mulholland Books. Mais obras de Hap e Leonard estão a caminho. Em 31 de janeiro de 2017, Coco Butternut: A Hap e Leonard Novella foi lançado pela Subterranean Press e Rusty Puppy foi lançado pela Mulholland Books em 21 de fevereiro de 2017. Um novo romance de mosaico intitulado Blood and Lemonade foi lançado em 14 de março de 2017.

Lansdale e sua filha Kasey começaram uma nova editora chamada Pandi Press para controlar a reedição e publicação de seus trabalhos mais antigos.

O livro de ensaios e memórias de Lansdale, Milagres não é o que costumavam ser, foi lançado pela Outspoken Author Series da PM Press. Seu mais novo lançamento de Hap e Leonard é um romance intitulado Jackrabbit Smile e lançado em 27 de março de 2018. Ele também, junto com sua filha Kasey, lançou uma coleção de mistérios de Dana Roberts intitulada Terror is Our Business: Casebook of Horrors, de Dana Roberts, publicada em maio de 2018 pela Cutting Block Books. Em outubro de 2018, uma coleção de contos intitulada Driving to Geronimo’s Grave and Other Stories foi publicada pela Subterranean Press como uma edição limitada. Desde então, Joe Lansdale tem estado muito ocupado publicando 11 romances Hap e Leonard, bem como coleções de contos. Consulte a bibliografia dele. Seu romance mais recente é intitulado More Better Deals e será publicado pela Mulholland Books. É capa dura e o lançamento do Kindle será em 21 de julho de 2020.

Livro 1 https://www.amazon.com.br/Deadwood-Dick-1-Michele-Masiero/dp/8542623185
Capa dura: 144 páginas
Editora: Panini; Edição: 1 (30 de setembro de 2019)

Livro 2 https://www.amazon.com.br/Deadwood-Dick-Livros-Entre-Inferno/dp/8542623290
Capa dura: 152 páginas
Editora: Panini; Edição: 2 (5 de janeiro de 2020)



Fabio Camatari Escrito por:

Dinheiro não traz felicidade... mas compra quadrinhos, que é quase a mesma coisa!