Loading

Sinopse oficial: Em um passado distante… um importante senhor do Japão antigo é eliminado por uma entidade de puro mal. Um jovem guerreiro jura vingança e torna-se um samurai sem mestre – um ronin – preso em uma luta eterna contra o demônio que assassinou seu patrono. Em um futuro próximo… uma grande corporação da selva urbana de Nova York está se preparando para lançar uma mortal nova tecnologia, e um infantilizado telepata e uma corajosa chefe de segurança são as únicas coisas em seu caminho. Quando esses dois mundos colidem, sonhos e realidade se misturam em uma apocalíptica batalha final – e, no coração desse caos, um solitário guerreiro enfrentará o maior dos testes à sua fidelidade.

ronin-fuse-the-sword-630x333

Dois anos antes de transformar o gênero de super-heróis para sempre com Batman: O Cavaleiro das Trevas, o aclamado roteirista e desenhista Frank Miller criou uma graphic novel tão original e audaciosa quanto aquele marco das HQs. Décadas à frente de seu tempo, ‘Ronin’ foi uma das primeiras obras a trazer as inovadoras técnicas do mangá para o público dos comics, em uma parábola tão surpreendente quanto qualquer grande obra de ficção científica. Uma combinação emocionante, perfeita e única de Oriente e Ocidente, passado e futuro, e ciência e magia, “Ronin” é um dos maiores feitos de Miller. Foi publicado originalmente em seis edições durante 1983 e 1984 e no Brasil, saiu pela primeira vez em 1988, pela Abril, tanto em minissérie quanto em encadernado. A editora relançou o material em 1991.

frank-miller-ronin-08-aa

Confesso que demorei um tanto para ler Ronin, sempre postergando, ou por não encontrar a edição tão facilmente, ou pelo volume que representava. Em uma viagem e algumas horas de poltrona, vejo o quanto estava perdendo! Miller estava em ótima forma, pré Cavaleiro das Trevas, com um traço rico, páginas dinâmicas e o texto bem alinhado. Leitura obrigatória para qualquer um, colecionador ou não. Aproveitem que a Panini relançou como encadernado de luxo e invista!

roninpanini

<p>Dinheiro não traz felicidade… mas compra quadrinhos, que é quase a mesma coisa!</p>

Top