Loading

Uma ameaça sobrenatural pode significar o fim de todos os membros da aldeia de Papa-Capim. E o jovem índio tem não só a difícil missão de detê-la, mas também de convencer o pajé de que foi o escolhido para essa tarefa. Em Noite Branca, a roteirista Marcela Godoy insere o conhecido personagem indígena de Mauricio de Sousa numa trama tensa e surpreendente. Tudo no belo traço realista do artista Renato Guedes.

A primeira Graphic MSP de terror faz uma releitura ousada do personagem do universo criado por Mauricio de Sousa de uma maneira tão competente, que se afasta (positivamente) do padrão aventura e sentimento que permeou a sequência de publicações do selo até então. Por uma questão de gosto e preferência pessoais, é a minha predileta até agora.

Marcela Godoy partiu de um dos princípios que considero primordiais para uma obra (ou qualquer grande realização): PESQUISA.

Segundo a autora, começou a pesquisar as diferentes culturas indígenas do Brasil à procura de alguma história que a inspirasse. “Encontrei alguns mitos bem interessantes e apresentei um primeiro projeto. Não rolou. Ainda não era aquilo… Ao invés de me desanimar, me aprofundei ainda mais nas pesquisas. Mas a verdade era que eu queria uma ideia que pudesse congregar um apanhado geral da cultura indígena e que contivesse uma mensagem para nossa geração!”
E continua: ” Eu não queria que fosse só uma história de terror, queria algo que tratasse do terror real, algo que nos aproximasse de horrores que nos são desconhecidos, não porque são culturalmente distantes de nós, mas porque não fizeram parte de nossa experiência como indivíduos.”

“A resposta veio naturalmente: para o índio, que horror maior poderia ter existido do que o horror provocado pelo processo de colonização? Aí estava a premissa. Agora faltava o argumento.”

“Os Tatus Brancos são personagens pouco conhecidos de nosso folclore. Remontam à época dos Bandeirantes e à região de São Paulo e Minas Gerais. Tratava-se, segundo a lenda, de uma tribo de índios habitantes de cavernas e que seriam canibais. Ouvi falar deles, pela primeira vez, numa conversa com Leandro Del Manto, editor de alguns de meus trabalhos. Ele havia lido sobre os Tatus Brancos num dos livros de lendas brasileiras recolhidas por Câmara Cascudo. Lembrei-me dessa conversa e pus-me a pesquisar novamente.”

papacapimnoitebranca06

papacapimnoitebranca05

papacapimnoitebranca01

Papa-Capim: Noite Branca
Graphic novel do selo Graphic MSP
Formato: 19 x 27,5 cm
80 páginas
Lombada quadrada
Papel: couché
Capa dura – R$ 32,90
Capa brochura – R$ 22,90
Lançamento: 15 de abril/2016

<p>Dinheiro não traz felicidade… mas compra quadrinhos, que é quase a mesma coisa!</p>

Top