Capitão Feio – Tormenta – Magno e Marcelo Costa

Sinopse Oficial: Depois do sucesso de Identidade, Magno e Marcelo Costa retornam ao principal vilão do universo de Mauricio de Sousa em Capitão Feio – Tormenta. Numa história repleta de ação, mistério, drama e vingança, ele enfrenta um poderoso oponente; e revelações sobre o passado abrirão diversas possibilidades para o futuro.

Capitão Feio – Tormenta, de Magno Costa e Marcelo Costa, é o 25º álbum do selo Graphic MSP, e traz a continuação do primeiro álbum, lançado em 2017. A trama conta mais passagens do passado do protagonista, ao mesmo tempo em que adiciona uma grande quantidade de personagens, sejam eles aliados ou oponentes do clássico antagonista da Turma da Mônica.

Um ponto muito importante é o estabelecimento de que o personagem vive no mesmo universo de outros personagens, como a Turma da Mônica e Astronauta. Tal interação já é mostrada quando Cascão demonstra grande admiração por Feio, sendo fiel ao material original dos personagens e colocando outras referências aos clássicos quadrinhos da Maurício de Souza.

Existe um consenso de que nem todas as Graphic MSP agradam 100% do público. Existem as mais sentimentais, as aventurescas, as comédias e as sociais. Todas tem o alto padrão editorial que é marca registrada da MSP sob a tutela do Sidney Gusman. Mas por que digo isso? Pois bem, em CF Identidade, a dupla dos irmãos Costa me pegou de jeito, com um quadrinho com várias camadas por explorar, não somente na aventura. A edição poderia existir por si só, fecha e sem continuações. Porém a química foi boa entre autores e personagem e eis que temos nossa continuação (e possivelmente outras mais, devidos ganchos).

No meu caso, coloquei a barra tão alta, que quando veio a leitura, me causou um pouco de frustração: as camadas que eu havia adorado na primeira edição, já não foram tão exploradas como agora. A arte continua excelente, apesar de que em alguns momentos achei um pouco apressada. As cores seguem fabulosas e ditam o temperamento do quadrinho.

Essa, infelizmente, não me pegou como imaginei que me pegaria…

Capitão Feio – Tormenta é uma HQ sobre motivações. Por ser incompreendido e desprezado pela sociedade, o vilão opta pela reclusão. Mas, ele é obrigado a sair dos esgotos e voltar para a superfície, sendo a principal esperança para derrotar o Nuvem.

E já que estamos falando de motivação, apresentar comportamentos saudáveis e congruentes com suas metas está diretamente ligado à automotivação. Quando a motivação está atrelada ao sentimento interno e individual de satisfação do indivíduo, esse fator contribui para a elevação do bem-estar, além de aumentar o sentimento de prazer, competência e autodeterminação da pessoa.

Ter um objetivo a ser alcançado é sempre importante para manter-­se motivado. Isso inclui, por exemplo, uma meta a ser cumprida no trabalho, a conquista de um imóvel, um automóvel ou uma viagem há muito tempo planejada. Tudo isso pode fazer parte da motivação extrínseca, a qual está relacionada a fatores externos. Algumas atitudes também contribuem para uma maior motivação pessoal.

Ao fim da edição, como já é praxe, há material extra com esboços, teasers e conteúdo histórico. A edição da Panini tem versões em capa dura e brochura sem orelhas, formato 19 x 27,5 cm e papel couché de alta gramatura.

Capitão Feio – Tormenta é uma HQ que continua um processo que está em curso desde o nascimento do selo Graphic MSP: o de mostrar que, com criadores talentosos e boas histórias, personagens que não estavam necessariamente no primeiro escalão de Mauricio de Sousa podem fazer grande sucesso. Se não alcançou uma nota conosco, ainda assim está acima da média da maioria das publicações em quadrinhos que chegam mensalmente ao mercado.

Capa dura para livrarias, capa mole para bancas: 96 páginas
Editora: Panini;
Edição: 1 (13 de dezembro de 2019)
Dimensões do produto: 28,2 x 19,3 x 1 cm

Link para a compra: https://www.amazon.com.br/Graphic-Msp-Capit%C3%A3o-Feio-Tormenta/dp/8542627202



Fabio Camatari Escrito por:

Dinheiro não traz felicidade... mas compra quadrinhos, que é quase a mesma coisa!