A Menina do Outro Lado #2 – Nagabe


Sinopse Oficial: No primeiro volume de A Menina do Outro Lado, somos apresentados a um país dividido, onde perigos espreitam na floresta e nas redondezas, e conhecemos a história de Shiva, uma encantadora menininha que foi acolhida pela estranha criatura meio animal e meio humana que ela chama de Sensei. Ela não pode tocá-lo, senão será amaldiçoada. Quando um forasteiro invade a casa que eles habitam e toca no rosto de Shiva, tudo parece estar perdido. Com mais perguntas do que respostas, Shiva e Sensei partem em uma jornada em busca da verdade. Estaria a garotinha correndo perigo? E poderia a floresta revelar tudo aquilo que eles precisam saber?

A atmosfera envolvente e cheia de contrastes de Nagabe — sua arte obscura e repleta de sensibilidade, o jogo de luz e escuridão, um mundo assombroso e convidativo — continua sendo sua marca registrada neste segundo volume ainda mais intrigante. A Menina do Outro Lado é uma fábula sobre a criação do afeto e o amor entre duas criaturas tão diferentes, mas com muito a compartilhar.

Aproveitamos que este plot da história acaba sendo muito reforçado neste volume dois e vamos falar um pouco sobre Empatia…

Empatia é o sentimento de quem é capaz de se colocar no lugar do outro, podendo ser chamada também de compreensão e respeito pelos sentimentos do próximo.

Uma pessoa empática tem capacidade de lidar com a dor alheia e deixar o egocentrismo de lado. Ela faz isso para entender o ponto de vista do outro, exercendo generosidade e tolerância, já que nem sempre somos assertivos em nossas decisões.

As atitudes que tomamos, às vezes, não são adequadas para outra pessoa, embora o egocêntrico considere que suas decisões também devem ser iguais para aqueles que fazem parte do seu convívio.

Algumas vezes, a decepção em um processo de empatia não compreendida está relacionada a um grau de ilusão que ultrapassou os limites.

Outro fator que bloqueia a empatia são os vícios que levam o indivíduo a se fixar apenas no objeto de desejo, impedindo-o de se abrir para o outro.

É importante salientar que, embora seja uma reação natural das pessoas tentar se afastar das dores físicas ou emocionais, a dor é um alerta natural. Sem ela, não saberíamos piscar para expulsar um cisco dos olhos, nem conheceríamos o sentimento de perda.

A empatia não existiria se não tivéssemos passado por dores parecidas.

É por isso que estamos falando sobre uma habilidade fundamental para a nossa vida pessoal e profissional.

O efeito da empatia nas crianças

A menina Shiva se vê em situações de exercício da empatia nas duas primeiras edições. À medida que crescem, as crianças ampliam o círculo social, experimentando interações que favorecem a aquisição da empatia e de outras habilidades socioemocionais importantes para a aprendizagem e o desenvolvimento infantil.

Quando a experimentam no convívio familiar, aprendendo com os pais a exercê-la no dia a dia, os filhos constroem mecanismos para lidar melhor com os desafios da escola e é possível perceber reflexos positivos sobre o desempenho escolar e sobre o comportamento da criança como um todo.

Cada pessoa é única

Não existe uma “receita” predefinida de como devemos lidar com as pessoas. Cada indivíduo é único e essa é a beleza da vida.

Ao sentirmos empatia por alguém estamos nos sensibilizando pela realidade do próximo. Isso é essencial para que as pessoas possam se respeitar e aprender a viver com as suas diferenças.

A empatia é a principal ferramenta para a compreensão e paz geral, pois graças a este sentimento conseguimos nos “pôr na pele” de outras pessoas e, consequentemente, entender as razões por trás de suas ações.

Escutar antes de falar

Você nunca conseguirá ser empático se não parar e observar. A empatia requer que o egocentrismo seja deixado de lado para dar espaço ao altruísmo, ou seja, ajudar outras pessoas sem intenções egoístas.

Saber ouvir é muito importante. Mesmo quando você pensa não ser capaz de dizer algo para ajudar alguém, por exemplo, quando está ouvindo atentamente o que a outra pessoa tem a dizer, as palavras certas de conforto acabam por aparecer.

Ah, e nem sempre as palavras são necessárias. Um abraço, um beijo ou mesmo um tapinha nas costas, quando feito com sinceridade, já é um sinal de que você se “contaminou” pelo sentimento que aflige ou contagia o próximo.

A importância da linguagem corporal

A linguagem corporal é muito importante na hora de criar laços empáticos. Psicólogos afirmam que pequenos gestos podem simbolizar o seu nível de empatia para com determinada pessoa.

Por exemplo, tente não conversar com os braços cruzados ou sempre a bocejar, pois demonstra falta de interesse. Também é importante que você apresente pequenos sinais de concordância, indicando que está prestando atenção ao diálogo (como balançar a cabeça afirmativamente).

Um sorriso ou um abraço podem ser mais importantes do que qualquer discurso. Não se esqueça disso.

Abandone os julgamentos

Ser empático é ter a habilidade de não fazer julgamentos com base em suposições egoístas. Afinal de contas, como já dissemos, a empatia está baseada na compreensão do próximo. E o mundo é muito mais daquilo que você vive ou julga ser o correto.

Às vezes, presenciamos uma atitude de outra pessoa que parece ser incorreta ou despropositada. Por causa disso, muitas pessoas criam uma imagem negativa daquele indivíduo, tendo em conta o que presenciou. No entanto, existem mil e um motivos que possam ter desencadeado aquela reação na pessoa, como a perda de um familiar, do emprego, etc.

E é aí que entra a sensibilidade da empatia. Você precisa tentar entender a história por trás das ações, se pôr no lugar daquele indivíduo e, somente assim, será capaz de entender por que houve aquela reação inesperada, por exemplo.

Um bom exercício para praticar a empatia nesse caso é tentar compreender as ações daquelas pessoas que te irritam. Este é o caminho rumo a tolerância social.

Empatia não é fingimento

A empatia é um sentimento genuíno e que deve ser valorizado. Ser empático não é agir com falsidade, ou seja, fazendo de conta que se importa com o próximo.

Portanto, se você é daqueles que crítica o sentimento de empatia alheio, provavelmente está precisando trabalhar a sua capacidade de se colocar no lugar do outro. É muito importante praticarmos isso, afinal de contas, sem a empatia os seres humanos já teriam sido extintos há muito tempo.

Principais benefícios da Empatia

– Aproxima as pessoas e favorece o relacionamento entre elas

– Melhora o entendimento em situações diversas

– Contribui com o ambiente e o clima organizacional

– Facilita a formação de relações sólidas e confiáveis

– Promove o exercício da generosidade, paciência e tolerância

– Proporciona assertividade na definição de metas e objetivos

– Propicia a previsibilidade de situações e antecipação aos problemas

– Evolui a busca pela satisfação e realização plena.

Para os fãs da obra, mais uma novidade: um curta animado feito pelo estúdio japonês Wit Studio será lançado em setembro de 2019. A direção da animação que adapta a história de Shiva e Sensei ficará com os japoneses Yuutarou Kubo e Satomi Maiya. Enquanto isso, do lado de cá do planeta, A Menina do Outro Lado — Volume 2 chega para os leitores no padrão de qualidade sobrenatural da DarkSide® Books que só quem aposta no escuro conhece: edições cuidadosas, da capa dura à tradução feita diretamente do japonês, e um universo de detalhes para você explorar a cada página.

Já comentamos aqui mesmo no Fanzine a primeira edição! Para ler nossa opinião e informações adicionais (além de poder ouvir o episódio exclusivo do podcast), acesse o link: http://fanzine.com.br/a-menina-do-outro-lado-nagabe/ .

No Japão, A Menina do Outro Lado, que já tem seis volumes, vendeu mais de 400 mil exemplares — e agora o volume 2 chega ao Brasil pela DarkSide® Books. Esperamos ansiosos pelas outras edições e que venham caprichadas como as anteriores! E quem comprar pelo link deste post, pode ainda (dependendo de quando compre), receber alguns mimos da editora, como marca páginas.

Capa dura: 176 páginas
Editora: Darkside (24 de abril de 2019)
Dimensões: 21 x 14 x 3 cm

Link para compra https://www.darksidebooks.com.br/a-menina-do-outro-lado–volume-2/p

Nagabe nasceu em 1993 e formou-se em Artes Visuais pela universidade de Musashino, no Japão. É um dos destaques entre os novos autores de histórias em quadrinhos japonesas. Para conhecer um pouco mais de sua obra, visite seu Tumblr:

http://mucknagabe.tumblr.com/



Fabio Camatari Escrito por:

Dinheiro não traz felicidade... mas compra quadrinhos, que é quase a mesma coisa!